O que Jesus Espera de seus Seguidores

O trágico acidente com o time de futebol da Chapecoense chocou o mundo, trazendo consigo dor, luto e reflexão. Para alguns, imagino – salvo parentes, amigos, e outros casos pessoais – resta reflexão. Ora pela dor do ocorrido, pelas manifestações de carinho em todas as esferas e novas notícias. Algo que perdurará por muito tempo devido ao depoimento dos sobreviventes, possível volta dos mesmos aos gramados, próximo jogo da Chapecoense, enfim, são inúmeros fatos que remeterão novamente a reflexão sobre.

Em meio a tantas questões sobre o ocorrido, mais uma notícia nos leva a reflexão. Em meio aos destroços e objetos pessoais dos vitimados foi encontrado o livro “O que Jesus Espera de seus Seguidores” do Pastor e Teólogo Batista americano John Piper. É do conhecimento de muitos a confissão de fé cristã de alguns jogadores e funcionários da Chapecoense, entretanto, não quero entrar especificamente na pessoalidade de cada um, mas ressaltar que, o que Jesus espera de seus seguidores, importava para alguns naquele voo.

Esse livro que adquiri em 2011, nos remete a autoridade de Cristo sobre tudo e todos através da sua pessoa, e, mandamentos. Por se tratar de um livro escrito por um homem, logo deve submeter-se a Bíblia, a Palavra de Deus, que apesar de ter sido escrita por homens, estes foram inspirados pelo próprio Deus para tal (2 Timóteo 3.16). Nesse quesito, Piper busca sempre com zelo submeter-se às Escrituras, reconhecendo sua finitude, humildemente entendendo que pode haver erro em seus livros. Diante de tamanha submissão a Palavra de Deus é possível sermos levados através dessa exposição bíblica ao encontro com Cristo, e aos efeitos transformadores do Evangelho.

Me lembrando das palavras de Paul Washer, somos convidados à reflexão: “Cada cortejo fúnebre, cada túmulo, clama o homem a deixar os cuidados fúteis deste mundo e meditar sobre a eternidade, a preparar-se para encontrar com Deus”. Com absoluta certeza afirmo, esse é o convite de Piper nesse livro. A questão é, o que Jesus espera de seus seguidores. Nos importamos com isso? Assim compartilho alguns trechos desse excelente livro, convidando posteriormente a leitura na íntegra.

 

Mandamento 2 – Arrependam-se pág. 40

“Daí em diante Jesus começou a pregar: Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo”. (Mateus 4.17)

“O que é arrependimento? Dois fatores mostram-nos que arrependimento é uma mudança de mente e do coração, não uma simples tristeza por haver pecado ou uma ligeira melhora no comportamento. Primeiro fator: A mudança da mente por Cristo traz uma nova perspectiva. Segundo fator: mudança de comportamento. Deem frutos que mostrem arrependimento (Lucas 3.8)”.

“Pecado é uma agressão contra Deus. Por quê? Jesus responde dizendo que somos pecadores. “Eu não vim chamar justos, mas pecadores ao arrependimento” (Lucas 5.32). Qual era a opinião de Jesus acerca do pecado? Na Parábola  do filho perdido, ele resume desta maneira o pecado do filho: …desperdiçou os seus bens vivendo irresponsavelmente. […] esbanjou […] com prostitutas(15.13, 30). Mas quando se arrepende, o filho diz: Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado seu filho (v. 21)

Mandamento 16 – Humilhem-se, declarando guerra ao orgulho pág. 137

“Todo aquele que a si mesmo se exaltar será humilhado, e todo aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado”. (Mateus23.12)

Ostentação é a reação do orgulho ao sucesso. Autopiedade é a reação do orgulho ao sofrimento. A ostentação diz: Eu mereço admiração por ter conseguido tanto sucesso. A autopiedade diz: Eu mereço admiração por ter me sacrificado tanto. A ostentação é a voz do orgulho no coração dos fortes. A autopiedade é a voz do orgulho no coração dos fracos. A ostentação dá ideia de auto-suficiêcia. Autopiedade da idéia de auto-sacrifício. Autopiedade não transmite a ideia de orgulho porque aparenta precisar de alguma coisa. Essa necessidade, porém, origina-se no ego ferido, e a pessoa não quer que os outros a vejam como alguém desamparado, mas como um herói. A necessidade que a autopiedade sente não tem origem na sensação de desmerecimento, e sim na de merecimento não reconhecido. É a reação do orgulho não aplaudido. Jesus analisa minuciosamente as profundezas do orgulho. Expõe as inúmeras camadas e manifestações […] no orgulho existe uma complexa estrutura composta de livre-arbítrio, mérito e prazer em sentir-se superior aos outros […] é uma rebeldia contra Deus.

Mandamento 35 – Acumulem tesouros no céus, com generosidade e sacrifício pág. 297

“Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam. Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. (Mateus 6:19-21)”.

É maravilhoso observar como Jesus considera o dinheiro e o que fazemos com ele […] por que Jesus se preocupa tanto com o que fazemos com nosso dinheiro? O motivo ao que me parece é formulado por ele mesmo: “…onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração” (Mateus 6.21; v. Lucas 12.34). O dinheiro é importante porque a maneira com que lidamos com ele indica onde nosso coração está ou para onde nossa adoração é dirigida. Quando o coração se apega a alguma coisa, ele a valoriza, estima e ama. Isso se chama adoração […] e Jesus disse: “ninguém pode servir dois senhores […] vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro” (Mateus 6.24). Sua generosidade te define.

Mandamento 47 – Deixem a luz de vocês brilhar diante dos homens, para que glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus pág. 386

“Vocês são o sal da terra […] vocês são a luz do mundo […] assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam suas boas obras e glorifiquem a Deus” (Mateus 5.13-16).

O primeiro mandamento de Jesus em relação a oração é que nosso Pai seja santificado: “Vocês orem assim: Pai nosso que estás nos céus! Santificado seja o teu nome” (Mateus 6.9). Ao dizer isso, Jesus dá a entender que seu primeiro e mais ardente desejo – e esse deve ser também o nosso – é manifestar a santidade de Deus.

Ao lermos pequenos trechos desse bom livro, carregado de verdades bíblicas, somos convidados continuarmos em Cristo, crendo em sua Pessoa e Palavra. Que Ele nos ajude!

#BemVindoAoEvangelho

 

 

 

Referências Bibliográficas:    

[1] BÍBLIA SAGRADA, Ferreira J. Almeida Revista e Corrigida. Barueri, SP: SBB, 2009

[2] PIPER, John. O que Jesus Espera de seus Seguidores. São Paulo: Editora Vida, 2008.

Sobre o Autor: Eduardo Fagundes de Oliveira é casado com Karolina Oliveira e papai da Helena. É seminarista da Igreja Batista Boas Novas no Jóquei Clube II, Juiz de Fora/MG.

 

2 thoughts on “O que Jesus Espera de seus Seguidores

  1. Excelente reflexão que me motivou inclusive a buscar a leitura deste livro, muito esclarecedor e
    que deve fazer parte da cabeceira de todo cristão.
    Muito bom texto! Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *